Páginas

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Desenho Infantil – Intervenção para o desenvolvimento da Figura Humana

Desenho Infantil – Intervenção para o desenvolvimento da Figura Humana

Objetivos:
  • Beneficiar o desenvolvimento do grafismo infantil
  • Contribuir para que o aluno possa progredir em sua representação gráfica através do desenho.
  • Propiciar ao aluno uma intervenção, de forma que ele possa iniciar a representação da figura humana ( apresentada como Realismo sucedido para Luquet, pré esquemática para Lowenfeld e tabulada como comunicativo social para Bernson).
  • Propiciar o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção
estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana para desenvolvimento da sensibilidade, percepção e imaginação
Justificativa:
O desenho é uma das formas humanas de representação do pensamento, por isso, por meio da grafia a criança pode apresentar o modo como pensa o mundo, a maneira como esse processo se dá e indicar dificuldades na área da cognição.
Na medida em que o professor percebe que o desenho não é apenas uma manifestação criadora da criança, é possível compreender todo o processo de desenvolvimento do grafismo, assim, seu olhar passa a ser outro em relação à produção artística infantil.
 Relacionada com as teorias de Luquet, Lowenfeld e Bernson já estudadas, vamos buscar recursos de intervenções para o desenvolvimento do grafismo da criança.
Falar de intervenção requer, primeiramente, que avaliemos nossos alunos, realizando propostas artísticas periodicamente e acompanhando e intervindo, quando necessário, de maneira que os alunos avancem nas fases do grafismo.
Material:
Livro paradidático, partes do corpo humano recortadas de uma revista, folha de sulfite, lápis de cor, canetinhas hidrográficas, borracha, etc
Encaminhamentos (Procedimentos):
   - Tabela de Sondagem – Os alunos desenham em uma folha sulfite um desenho livre para ser recolhido e analisado. Após a avaliação, dá-se início às intervenções.
Atividades Propostas:
Iniciaremos com um agrupamento produtivo, com uma criança que já possui seu grafismo mais evoluído com uma criança que esta em desenvolvimento.
- Brincadeiras: Cobra cega
                          Música dos Gestos (Xuxa – cabeça, ombro, joelho e pé...)
                          Reconhecimento do Corpo Humano no espelho e do seu amigo.
- Livro:

1º. Momento: contar uma história
Sugestões: Camila, não quer tomar banho...



·         Fazer a leitura e a interpretação com as crianças.

·         Discutir sobre as outras partes que compõem o corpo humano, assim como suas funções.
Atividades coletivas:
·         -Construção de um boneco coletivo da sala, que será a Mascote (a professora inicia a construção do rosto, e depois os alunos vão ajudando completando com os olhos, nariz, boca...)
·         Construção de uma figura humana no Papel Kraft com os alunos. (Essa figura poderá ser desenhada pelo próprio amigo da sala)
·         Jogo: Vamos encontrar!
 A professora irá preparar uma caixa grande, com diversas partes do corpo soltas (ex: cabelos, olhos, boca, pernas, braços...). Após a apresentação do boneco construído pela sala, os alunos buscarão na caixa partes do corpo para construir seu personagem.
 Atividades de Registro:
Após a realização de todas as brincadeiras, atividades lúdicas, jogos e atividades coletivos, entregar para cada criança uma folha de sulfite com a metade do corpo humano recortada de uma revista, para que ela desenhe completando a figura.
É importante que a criança tenha oportunidade de desenhar livremente :
- em papel com tamanhos e texturas diferentes
- em posições variadas
- com materiais diversos
  Avaliação:
Terminada a atividade, fazer uma exposição dos desenhos. Cada aluno deve comentar as partes desenhadas.
- Conclusão:
Enfim, é importante o professor de artes visuais, de educação infantil e das séries iniciais compreender os sistemas de desenho e de escrita em seus níveis de construção, a apropriação desses objetos de conhecimento pela criança e algumas interações entre desenho e escrita. “Não se trata de etiquetar a criança quanto aos níveis de desenho e escrita, mas de entender a construção dessas linguagens.”
Bibliografia:
LUQUET, G.H. Arte Infantil. Lisboa: Companhia Editora do Minho, 1969
LOWENFELD, Viktor. (1954) A criança e sua arte. São Paulo: Mestre Jou, 1976.
LOWENFELD, Viktor; BRITTAIN, W.L. (1947) O desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

Atividades realizadas com alunos de 3 a 4 anos



Crianças com 5 e 6 anos

0 comentários:

Postar um comentário

  ©Template designer adapted by Ana by anA.

Essa página é hospedada no Blogger. A sua não é?